quinta-feira, 28 de julho de 2011

Escrita Fina a gosto na Saraiva

Alô, alô, cariocas! Em agosto vai rolar um verdadeiro festival escritafinense nas lojas Saraiva. Vai ter lançamento, contação de história, sessão de autógrafos... uma festa! São vários autores na roda, em diversas lojas espalhadas pelo Rio de Janeiro.
O quê? Você é fã e não é daqui? Hum... Bom motivo pra vir nos visitar =)

Quer saber os horários? Clica no nosso convitão aqui embaixo que ele fica enoooooorme.
Estamos esperando por vocês!

terça-feira, 26 de julho de 2011

Dia da mãe duas vezes



Que coisa linda deve ser isso de ser vó e ganhar presente duas vezes, não é mesmo? Pois é, o dia da vovó  ainda não ganhou o status do dia das mães, mas ele existe e é... HOJE! Então corre lá pra dar um beijo, um aperto, um cheiro, um abraço e até mesmo um presente (que tal o nosso aclamadíssimo O livro da avó?) pra essa senhorinha simpática pra quem a gente corre toda vez que faz besteira e toma bronca da mamãe. 
Infelizmente as vovós não costumam durar tanto na nossa vida, mas sempre tem aquela tia senhorinha que ganha o título de vó da família. Ou então a vizinha vó de todo mundo. Eu consigo contar umas dez vós na minha vida... sério mesmo. E tem coisa melhor que vó? Vó é biscoitinho caseiro quentinho, é colo, é abraço apertado, é cheirinho de lavanda, é brincar brincar brincar sem parar, sem ter que arrumar bagunça! Tem aquele ditado que diz que mãe educa pra vó deseducar... e quando a gente é criança, o que não falta é vó por aí querendo mimar a gente!
Ah! E costumam ser as vovós que contam as histórias pra gente também... Histórias que nem as da Bá, por exemplo, do Bá e as visagens. A minha adora contar crendices (até hoje eu não consigo ver um sapato virado, por exemplo). E a sua? Que histórias sua avó contava pra você?

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Homenagem aos nossos escritores

foto: http://www.flickr.com/photos/erinkohlenbergphoto



Há escritor e escritora.
Mas nem sempre se compreende numa só leitura
Difícil haver no Universo outra criatura
Que faça de alguns sinais gráficos uma vida que se perpetua

Escrever, antes de tudo, é um ato de paixão
Ou será que você escreve antecipadamente com a razão?
Por isso que vocês, escritor e escritora,
São as pessoas que a maioria de nós inveja,
Imaginando que escrever não é uma coisa à toa.

Nossas vidas são regidas por sagradas ou profanas escrituras,
Isto é, a palavra escrita
É o que a vida nos dita.
Quem nos leva a viajar para galáxias
Ou em nossos universos internos
É aquele que une as idéias e dá um sentido.
Ao escrever, tudo é permitido.

Jorge Alberto

Parabéns aos nossos queridos catadores de milho, espancadores de teclado, blogueiros sensíveis, amantes  de caderno e caneta, autores dos nossos livros preferidos, futuros autores dos nossos livros preferidos.... Feliz dia do escritor!

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Letras!

imagem: http://www.flickr.com/photos/leticia_a

Ontem foi Dia Mundial do Rock e a gente até teve convidada especial rock 'n' roll escrevendo por aqui (beijo, Mathilda!). E acredito que nunca na história desse país uma editora teve um ambiente de trabalho tão musical como o nosso. O que até repercute nos nossos livros, como as cantorias belíssimas de Hellenice Ferreira ou as adptações de cantigas de Camila Carrossine e até a futura ópera-rock surpresa que estamos gestando. Pois bem, duas assistentes rock 'n' roll e uma chefa dançante tinham porque tinham que deixar suas marcas musicais por essas bandas também. Afinal, por que não aproveitar a influência da Mathilda Kóvak e anarquizar tudo? Vamos fazer um Woodstock literário: três dias (ou quantos dias vocês quiserem) de paz, amor, livros e rock!

Agora vocês já devem ter sacado aonde queremos chegar, né? Sim, somos da geração MTV (aquela, dos primórdios, sabe... Sabrina, Gastão, Edgard... Ai meu deus, tô velha!) e adoramos um top 10. Com vocês... tchan tchan tchan.... as dez músicas escritafinenses mais rock' n' roll pra se ouvir enquanto apreciamos uma boa leitura. E ó, dessa vez não vai ter vida fácil pra vocês, não! Queremos todo mundo fora da moitinha e comentando: o que vocês ouvem enquanto leem?


1 -a change of seasons - dream theater 


2- into the storm - blind guardian 

3- tom saywer - rush 

4- hallowed be thy name - iron maiden 

5 - symphony X - the Odyssey  

6 - because - beatles

7 - shine on you crazy diamond - pink floyd

8 - island in the sun - weezer

9 - life on mars - david bowie

10 - the doors - indian summer

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Hoje é dia de rock

imagem: http://www.flickr.com/photos/artegabi

"Hoje é dia de rock" era o título de uma peça, que fez um grande sucesso entre adolescentes, jovens em geral, no início da década de 70. O teórico da comunicação, Marshall MacLuhan, dizia, então, que o rock era a literatura daquela época. E não dava pra discordar. Nós, os adolescentes dos anos 70, crescemos ouvindo o melhor rock 'n' roll de todos os tempos, tentando decifrar as letras, que, em geral, continham um simbolismo muito particular, articulado nas cabeças lisérgicas de seus autores. 

Mas, voltando à peça, ela contava a saga de uma família interiorana, que se muda para a cidade grande. No meio disto tudo, aparece Elvis Presley, ainda vivo na época. Eu me lembrei, agora, de um filme do Jim Jarmush, rodado bem mais adiante, nos anos 80, que ainda eram bem roqueiros. Neste filme, o fantasma de Elvis assombra um trem. Elvis encarnava o espírito do rock. Mas os inventores mesmo da música que revolu cionou a cultura do Ocidente foram três gênios negros: Chuck Berry, Little Richard e Screamin ´Jay Hawkins.  O rock é negro, bem como toda a riqueza de ritmos e melodias populares. Os negros inventaram tudo. Os brancos assimilaram.  E muito bem. Como negar que Mick Jagger, um inglês do subúrbio de Londres, de olhos azuis e cabelos alourados, fosse negro?! Os Stones e outras bandas de rock encarnam o espírito negro do rock 'n' roll.

Hoje é dia de rock, esta que foi a maior invenção humana depois da roda e da roldana. Bem, ao menos, para alguns. Aliás, muitos. O rock tem uma capacidade aglutinadora, que nenhuma outra música possui. Ele evoca sempre o espírito da rebeldia. E, ainda que toque em assuntos tristes, é alegre. Um carnaval universal. Uma linguagem que todos entendem.  Quando apareceu e sempre que reaparece, suscita polêmica. Você pode até não curtir, mas ninguém é indiferente ao rock 'n' roll. 

Pessoalmente, devo muito ao rock. Ele era uma espécie de cinema cego para mim. Um filme sem imagens, com sons que traduziam toda uma história. Ele me inspirou e me inspira, desde criança. Eu me lembro bem do dia em que um tio trouxe um compacto - um vinil em miniatura, de "Help", de Londres, e os adultos da família ouviram aquilo estarrecidos, achando que o mundo havia surtado. Mas nós, crianças, achamos o máximo e saimos dançando loucamente. Sim, o mundo havia enlouquecido. No planeta inteiro, havia revoluções que iriam mudar tudo.

Dizem os astrólogos que Urano entrou em áries, em março, e que vai ficar transitando por este signo durante sete anos, o que significa que muitas revolucões, inovações criativas, irão acontecer. E podem apostar que neste céu um cometa vai passar com a cauda de sua rebelião. O cometa rock ´n' roll. Hoje é dia de rock.  Sintonizem no seu rock favorito e desejem parabéns a este senhor eternamente jovem. Ele faz aproximadamente 71 anos de som e fúria. Merece todo o nosso respeito e admiração. Porque o rock 'n' roll é o deboche do mundo. É o sujeito que tira a máscara dos hipócritas e goza
a cara dos mentirosos. So let´s rock.  Rock´n' roll can never die.  Ele vem para nos salvar do tédio. É o messias dos iconoclastas. Hoje é dia de rock! Let´s rock forever!

(Aproveito o ensejo para dizer que, na virada de agosto para setembro, um misterioso livro com o tema - rock 'n' roll - irá sair do forno da Escrita Fina para as estantes das livrarias. Prefiro não dizer ainda o título. A modéstia me impede de dizer quem é a autora. Mas adianto que ela é bem parecida com pessoa que escreveu este texto!)

Mathilda Kóvak

terça-feira, 5 de julho de 2011

Festa literária Outlet


Como todo rato de livraria já deve saber, a Flip tá chegando e nós estaremos presentes, fazendo carão e apresentando algumas de nossas belas histórias. Sim, existe um espaço só para os pequenos, a Flipinha, onde tudo que é fofo e supostamente para crianças (supostamente, porque eu tenho 25 e talvez me divirta mais com os livros dos pequenos do que com os dos grandes) acontece. Por exemplo, Viva eu, viva tu, viva o rabo do tatu! e A vida secreta de Merlim vão estar lá firmes e fortes e poderosos!
Mas não é só isso! Por apenas mais R29,90 você também leva... Bem, todo rato de livraria sabe da Flip, mas nem todo mundo sabe da OFF Flip, onde os hypes, que são legais demais pra ser mainstream, se encontram. Mentira, a OFF Flip não é um movimento, digamos, dissidente, mas sim um complemento à Flip, que ficou grande demais e agora tá difícil arrumar espaço pra todo mundo! E nós, que somos porretas, somos arretados, somos cabra macho sim senhô (sim, gente, ainda tô no clima do cordel), vamos chegar chegando a Paraty também pra OFF Flip. Na OFF vamos contar com os ilustríssimos Gustavo Bernardo,  Crsitina Villaça e Hellenice Ferreira,  que, por iniciativa própria, levará, também para se apresentar na OFF, grupo de teatro da Escola Municipal Parque Capivari, de Duque de Caxias, formado por alunos-atores. Um time imperdível!
E fica a dica pra vocês, que vão a Paraty, pro tapete vermelho das celebridades literárias... lembra da gente lá na OFF também. Tem bacanice suficiente pra duas festas literárias, alguns poetas errantes e uns surfistinhas de Trindade... ops... fugi do assunto. Partiu?
Você pode conhecer mais sobre a OFF Flip aqui ó: www.offflip.paraty.com   
Um cheiro pra vocês!