quinta-feira, 31 de maio de 2012

Quebre a perna, Denise!



A Vejinha desta semana contou pra gente tudo sobre a adaptação da Denise Crispun de O Rouxinol e o Imperador, de Hans Christian Andersen, para os palcos do Oi Futuro. Estreia sábado. Nem precisamos dizer que é assim... tipo imperdível. Pra saber mais, é só clicar na imagem acima, que ela amplia.
Mas o que a Vejinha não falou é que a Denise escreveu pra gente o livro da peça (com capa de Mariana Massarani), que vai "estrear" junto com o espetáculo.
Sim, senhoras e senhoras, sábado é dia de festa com lançamento duplo. É a Escrita nos livros, no teatro ou numa casinha de sapê.
Quem vem com a gente?

segunda-feira, 28 de maio de 2012

"É nóis" na FLIP!


Quer dizer, é a Mariana Erthal, ilustradora e autora das vinhetas de Pão e Arte, além de ter metido a colher em várias diagramações de livros, capas e outros materiais aqui da Escrita.
A coisa se deu assim: o pessoal da FLIP abriu inscrições pra uma oficina sobre quadrinhos e ilustração com aulas ministradas, em Paraty, por Laerte e Angeli. Coisa pouca, né? Imagina! Bem... Bastava mandar um currículo + uma ilustra, e a Mari espertamente mandou a belíssima capa do Pão e Arte. Ou seja, quem aí não sabia que ela seria selecionada, né? E eram só 25 vagas!
Então, ela vai estar por lá dia 6, 7 e 8, e é lógico que vamos pedir um post especial contando tudinho pra gente assim que ela voltar.

Pra saber mais sobre a oficina clique aqui.
Pra saber mais sobre a Mari, o link é esse aqui.

Estamos empolgadíssimos! Parabéns, Mariana!!!

quinta-feira, 24 de maio de 2012

O outro lado


Nas últimas semanas o Facebook (sempre ele) tem reproduzido muito essa foto aqui ó: 
fonte: http://mstrkay.tumblr.com/

Pra uns, uma verdadeira ode aos tempos modernos e como eles tornam a leitura algo superacessível. Pra outros, uma abominação, a prova de que o livro de papel está morrendo (quando, na verdade, a presença dele ali prova justamente que the hills are alive with the sound of music ele tá é vivão da silva!). Pra gente, um grande sorriso no rosto e uma ruguinha de preocupação. O sorrisão é porque toda forma de ler vale a pena, e dar de cara com um grupo de pessoas assim tão compenetradas em suas leituras é pra animar o dia de qualquer editor. A ruguinha é pela constatação imediata de que a f oto não foi tirada em terras tupiniquins.
Não é pelo Macbook, pelo Kindle, pelo Iphone (que a gente vê de vez em quando/quase nunca num transporte público) que fica óbvia a "gringuice" da foto. É pela triste lembrança de que, no dia a dia, dificilmente veríamos uma fileira de pessoas lendo num transporte público ou em qualquer outro lugar. O tabefe na nossa cara para lembrar que a gente ainda não chegou lá, na sociedadede leitores assíduos que tanto sonhamos pro nosso país.
Mas quer saber? Tabefes na cara, às vezes, são bons (quando metafóricos, claro. Não é pra sair por aí esbofeteando todo mundo e dizendo que foi a Escrita que mandou, hein?!). Servem pra fazer a gente acordar. A gente, que respira e pulsa livros 24 horas por dia, 7 dias por semana, às vezes esquece de que o universo de não leitores é muito maior do que o nosso mundo mágico da literatura. E é preciso lembrar que é pra esse universo que a gente dá sangue, suor e lágrimas no trabalho todos os dias. É pra trazer essa galera pro nosso mundo mágico.
A princípio, bateu uma tristeza ao constatar que o pessoal da foto jamais poderia ser brazuca. Mas passado o susto da bofetada, vem a inspiração que só ela proporciona. É esse mundo que a gente quer e é pra isso que a gente existe. Ver o lado feio de vez em quando é necessário pra que os objetivos fiquem mais nítidos.
Toda editora quer ver seus livros serem lidos e vendidos. Nós queremos que eles cheguem a quem jamais chegariam. E, quem sabe um dia, a foto acima não seja feita num metrô pertinho de você?
Partiu transformar o Brasil num país de leitores compulsivos como nós? ;-)

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Socorro! Ninguém me publica!


Foto de Katie Krueger


Calma, meu povo. Tio Sam Escrita Fina wants you! Mas o mais importante da jogada é: será que você quer a Escrita? De tanto levar frechada do teu olhar receber original (e nós amamos muito tudo isso), achamos de bom tom dar umas dicas pra você que está procurando uma casa pro seu livro. Baseado nos e-mails que mais chamaram a nossa atenção nesses últimos anos, aí vão algumas dicas nossas de como gritar o seu original pra gente.

Obs.: Sim, nós lemos tudo o que chega. Tudo mesmo! Até aqueles e-mails sem nada ou enviados pra mil editoras ao mesmo tempo (o que é uma gafe tremenda e a gente vai explicar por quê). Mas não custa nada tentar se fazer ouvir, né? Vamos dar uma caprichada, pessoal!

Dica 1: Diga "Alô, Cristina. Oi!"
Algumas linhazinhas explicando quem você é, de onde vem, pra onde vai, já são meio caminho andado. Sim, a gente lê tudo, mas quando a apresentação do e-mail é bacana, a empolgação já começa ali. Vamos com muito mais sede ao prato principal se a entrada é boa, não é? Mas atenção: são linhazinhas. Inhas. Inhas mesmo. São muitos, muitos e-mails que chegam pra gente e, infelizmente, não dá pra ler nada que seja muito gigantesco e floreado. Seja objetivo, porém empolgante ;-)

Dica 2: Saiba pra quem você está enviando seu original
Não custa nada dar uma googlada de 30 segundos sobre a editora, né? Se o seu romance não tem nada a ver com o universo infantil e juvenil, talvez a Escrita não seja a casa ideal pra ele. Além do mais, você precisa saber como o seu livro vai ser tratado. Você mandaria seu filho pra qualquer creche? Então! Tenha certeza de que a editora pra onde você mandou o seu original vai cuidar dele de uma maneira que te agrade.

Dica 3: Não atire pra todos os lados (ou, pelo menos, disfarce)
Ok. Nós sabemos que a vida de escritor é difícil e achar uma editora é um parto, mas não precisa jogar isso na nossa cara =) A publicação de um livro é uma via de mão dupla, pois cada um aqui bota um pouquinho do seu coração (brega, porém verdade) no processo. Somos apaixonados pelo que fazemos e gostamos (como todo mundo) de nos sentir especiais. Diga-nos porque você quer seu livro conosco, mande um e-mail só pra gente. Vai ser meio chato escrever um e-mail especial pra cada editora que você tiver em mente, mas pode confiar: vai causar uma ótima impressão!

Dica 4: Paciência é uma virtude
Vamos contar um segredo: conselhos editoriais são minúsculos e nada, nadica, é aprovado sem ser lido por, pelo menos, umas duas pessoas. O que queremos dizer com isso? Que a resposta demora. É assim mesmo. Não é descaso, muito pelo contrário. É um mix de alto comprometimento da nossa parte em ler tudo com o maior cuidado, a grande quantidade de coisas que chegam na nossa caixa de e-mail e o pouco tempo e pessoal que temos pra dar conta de tudo. A Escrita é pequenininha, lembram?

Dica 5: Críticas são amigas
É sério! Ninguém curte descobrir suas falhas, mas é isso que faz a gente crescer. Preste atenção nos feedbacks, mesmo que eles venham acompanhados de um "não". A gente aqui adora um escritor/ilustrador iniciante e temos uma baita disposição pra ajudá-los a crescer. Talvez o seu livro precise de uns retoques (todo livro precisa!) e isso não é motivo pra se chatear nem com a gente, nem com você mesmo. Aqui o negócio é trabalho em equipe! Nós também não estamos sempre certos e adoramos aprender com vocês.

Então? Preparados pra quebrar esse medo paralisante de ser avaliado por uma editora? Queremos ver você no nosso contato@escritafinaedicoes.com.br ;-)

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Frio no Rio


Foto de: Erik Fitzpatrick



Já é Natal Outono na Leader Magazine! E, finalmente, ele resolveu se fazer presente nessas últimas semanas gélidas cariocas. Sim, pra carioca, baixou dos 20 graus, virou frio polar ;-p O que pra muitos é uma tristeza sem fim, já que isso significa o término definitivo do Verão. Mas nós somos otimistas toda vida, vemos tudo pelo lado bom e temos argumentos fortíssimos pra convencê-los de que um friozinho de leve pode ser uma maravilha, querem ver?
Primeiro e óbvio: No tempo mais fresquinho a gente lê mais. Não rola do bumbum ficar quente na cadeira, do colchão fazer calor nas costas, da rede pinicar com o suor... ou seja, ficar quietinho não incomoda. E pra ler é preciso ficar quietinho.
Segundo: Chocolate quente! Esse tempinho chuvoso pede, né? Ok... em tese, chocolate pelando tá mais pra pedida de Inverno e... e... Ah! Quer saber? E lá se precisa de desculpa pra se entupir de chocolate?
Terceiro: O céu é mais azul. Juro, juro mesmo! Tá... forcei, porque ultimamente o tempo anda feio pra chuchu, mas reparem só nos próximos dias de Sol. As cores ficam bem mais bonitas e vivas no Outono e isso não é papo fotógrafo wannabe. 
Quarto: Flores, flores, muitas flores! Quem disse que isso é privilégio só da Primavera? O Outono é a época das Begônias, das Camélias, de Bico de Papagaio (que dura o ano todinho, mas fica vermelho mesmo só agora) e, é claro, da Flor de Maio. 
Quinto: Detox!!! Depois de meses de pura fanfarra, é agora que a gente dá um descanso pro corpitcho. Ele merece, né? 
Taí a listinha Escrita Fina, mas a gente quer mesmo é saber da de vocês. Qual a pedida dos nossos leitores pra esse friozinho? A nossa dica é ir até a livraria mais próxima e catar uma leitura bacana pra mamãe (ou esqueceram que domingo é o dia dela?), ou, se a preguiça realmente estiver forte, a internet tá aí pra isso ;-)
A gente tem uma seleção ótima para tempos polares como esse. Onde? Aqui!

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Não para, não para, não para, não!




Lá se foram duas semanas de Salão FNLIJ, veio o feriadão e vocês pensaram: Oba! Descanso!
Rá! Pegadinha do Mallandro pra vocês! Neste fim de semana, a fanfarra literária segue seu rumo em Santa Teresa, aqui em terras cariocas. Abram alas praFLIST passar, galera! Pra quem não a conhece, eis seu nome completo: é a Festa (e que festa!) Literária de Santa Teresa e este ano ela rola nos dias cinco e seis de maio, das oito da manhã às seis da tarde (haja café!). A programação você confere no site: sábado e domingo
Poderíamos passar linhas e linhas tentanto explicar a grandeza da festa, mas vamos deixar pra quem entende, os próprios Flistianos ;-) Abaixo, o vídeo do que rolou na FLIST do ano passado, que homenageou Bartholomeu Campos de Queirós (esse ano os louros vão pra Joel Rufino dos Santos):



E, como não podia deixar de ser, tem Escritafinenses na área também!
No sábado, às dez da manhã, Lucia Bettencourt desenrola um bate-papo sobre A cobra e a corda e Botas e Bolas no Parque das Ruínas. No domingo, também às dez da matina e também no Parque das Ruínas, rola Vida que voa com a presença de Lena Martins, Luciana Grether Carvalho e Carolina Figueiredo. Mais tarde, às 15h, Hellenice Ferreira entra em cena com A lenda do Alecrim e Namoro encantadoE às 16h, Anna Claudia Ramos medeia um debate bem bacana sobre a AEILIJ.

Claro que a coisa não para por aí! Tem muito mais rolando no evento, e a nossa dica é olhar cada linhazinha da programação. 
E, então, quem vem com a gente?