quarta-feira, 29 de maio de 2013

Atenção, atenção: o aniversário no cemitério será adiado!



Calma, calma! Ninguém morreu. São apenas detalhes técnico-cristãos ;-) Devido ao feriado de Corpus Christi, o lançamento de Aniversário no cemitério que seria neste sábado, dia primeiro de junho, ficará pro dia 27 de julho (também sábado, às 11 horas). Assim, quem é de rezar, reza, quem é de ir à praia, vai e ninguém perde essa tenebrosa festança.
O quêêêê? Vocês estão com medo de um velhinho coveiro simpático desenhado pela Cris Alhadeff?De uma história inusitada de Alexandre de Castro Gomes? Ai, gente! Para! Estamos em pleno 2013 e vocês ainda acham que juntar fantasma + cemitério é motivo suficiente pra ficarem apavorados? Relaxem! Tim Burton já provou tantas vezes que dá pra ter graça (e muita graça!) no além. Agora é a vez tupiniquim, ora pois!
Ah! E olha a educação, hein! Não nos façam a desfeita de aparecer sem presente lá na Livraria Cultura do Centro. Afinal, não é todo dia que tem gente fazendo 100 anos por aí...  

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Todas nós somos um pouco Angelina Jolie



Ficar doente é dureza. Quando a doença é um câncer a dureza triplica. Mas e se junto com isso tiver um pequeno (ou vários) que depende da gente? Nesse caso, se a gente  tava borocoxô e deprimido, acaba tirando força sabe-se lá de onde pra seguir em frente.
Algumas mulheres tomam decisões duras e irreversíveis, como a Angelina Jolie. Retirar os dois seios pra prevenir um câncer é um ato tão pesado quanto a doença em si. É retirar uma parte da identidade feminina e um golpe na autoestima. Mas poucas coisas ajudam tanto as mulheres a irem levando quanto os seus filhos. Sim, moçoilos, hoje aqui é clube da luluzinha ;-)
A Jolie teve a chance de prevenir. Já nossa Ivna não teve tanta sorte (mas só no quesito câncer de mama, ainda bem).
Ivna Chedier Maluly teve que encarar o câncer de frente, com filho pequeno e tudo. E o conselho que ela deixou pra gente é o seguinte: joguem limpo com os pimpolhos (mas sem perder a ternura jamais!).
Pra nossa sorte, ela transformou o processo em um livro que pode ajudar a outras mães que talvez estejam no mesmo barco. Cadê seu peito, mamãe? foi um dos primeiro filhotes escritafinenses e é um baita orgulho ter a Ivna no nosso time!
Ao Globo ela contou um pouco mais sobre o processo de transformação do baque da doença em livro. E antes que a gente se derreta em lágrimas, segue aqui o link pra vocês chorarem também. Mas não se preocupem: são lágrimas de carinho e alegria ;-)

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Black is beautiful!

Retratos do lixo, Vik Muniz


Há 125 anos, neste mesmo 13 de maio, extinguia-se oficialmente a escravidão do Brasil. Temos motivos pra comemorar? Claro que sim! Afinal, foram-se as chibatas, as correntes e o direito de possuir outro ser humano e considerá-lo inferior por causa do seu tom de pele. Temos motivos pra estarmos satisfeitos? Não.
A igualdade, na prática, ainda não chegou por aqui. Os negros ainda ganham salários menores, têm menos oportunidades de frequentar boas escolas, moram nas comunidades mais carentes e, em pleno 2013, ainda há quem os olhe de cima pra baixo. A coisa tá tão enraizada que tem negro que até tem vergonha de ser negro.
Mas as coisas estão mudando :-) O famigerado tal do "cabelo ruim" já é exibido em capas (poucas, é verdade)  de revistas como o cabelo bom que realmente é;ouvir um bom samba já não é motivo de vergonha; existe um pouquinho mais de boa-vontade com as religiões africanas; os lábios carnudos estão na moda e até o batidão do funk tem ganhado respeito. É pouco? É! Estamos caminhado a passos de tartaruga? Sim! Afinal, já se passaram 125 anos e muito pouco foi conquistado. 
Mas não adianta reclamar e reclamar e nada fazer. A nossa briga é pra fazer que livros como Um menino chamado Negrinho ou Vozes d'Africa sejam apenas belas (e tristes) histórias de um tempo distante e que elas nunca mais se repitam. Por um Brasil com menos Navio negreiro e mais Vida que voa.