quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Entrevista com Mirna Brasil Portella e Camila Carrossine

Domingo tem lançamento de Chuá! Chuá! Gota d'água, céu e mar e pra vocês entrarem no clima, seguem duas entrevistas bacaníssimas! Primeiro vamos conversar com a Mirna, autora do livro, e depois com a Camila, que vocês já conhecem, ilustradora desse e de mais um montão de publicações nossas.
Vamos lá?

Mirna Brasil Portella, autora



Como surgiu a inspiração para o livro Chuá! Chuá! Gota d´água, céu e mar?
Essa história nasceu de um desejo de falar sobre liberdade. A água, o rio preso que queria ser do mundo foi uma metáfora que eu usei para falar do desejo de estar em todos os lugares. E tentei fazer isso de uma forma lúdica. Definir o sentimento de liberdade para uma criança, não é algo que se possa fazer facilmente. Então, o que fiz foi construir uma história que pudesse provocar a sensação de liberdade. Desde criança a água sempre me trouxe essa sensação, o banho de chuva, de rio, de mar. Mas o texto tem vida própria. Fui sendo levada pela minha própria escrita, esse rio de palavras que, às vezes, corre sem pedir licença. Acabei escrevendo uma história sobre o ciclo da água! Depois, foi aparar as arestas.

 Qual é a sensação de lançar o primeiro livro?
Ah, é muito recompensador. É como um filho que nasce, mas que ultrapassou os nove meses de gestação. Trabalhei muito para isso, dediquei muito do meu tempo e aprendi a ter paciência, a perseverar. Foram três anos de plantio e agora acho que a época da colheita chegou. Mas é preciso seguir plantando, sempre. Senão, nada acontece.

Vc já tem outros livros a caminho?
Sim, já tenho. Nesses três anos de batalha para publicar o primeiro livro, nunca deixei de escrever. Em 2012, tem novidade chegando.

O que é a literatura infantil para vc, qual é o sentido dela para vc?
Acho que a literatura para crianças é uma porta definitiva para o mundo da literatura. E ela é tão cheia de possibilidades! Na prosa, por exemplo, gosto muito da linguagem mais próxima da oralidade, isso traz a criança mais para perto do texto. Já no texto poético, na poesia, isso é mais relativo, porque a criança não precisa entender Ipsis litteris o significado do texto. O mais importante é a sensação que ele provoca. E a leitura, assim como a memória, passa, antes de tudo, pelo afeto.
Outra coisa é que a criança vive a literatura, assim como nós, os adultos. Mas a criança não racionaliza, vive de maneira mais intensa e mais lúdica, mergulhando profundamente na história. E quando mais cedo isso acontece, mais ela se familiariza com o universo literário.




Camila Carrossine, a ilustradora



Como foi o seu processo criativo para esse livro?

É sempre muito inspirador ter um texto de qualidade para ilustrar, e a Escrita Fina (leia-se: a querida Laura) é muito boa nas escolhas. 
Primeiro pensei de maneira mais ampla, no conceito da água, no que ela significa e em sua fluidez. Por isso a opção de fazer ilustrações que começam em uma página e continuam na seguinte, e na seguinte... a idéia era dar um movimento aos desenhos - para valorizar o ciclo. Acompanhando esses movimentos, coloquei o texto, variando sua forma e tamanho, para que se integrasse às imagens.


Que técnicas de ilustração você usou?

Sei que para alguns amantes de ilustração isso pode ser frustrante. Mas não usei tintas, pincéis ou lápis de cor. Usei basicamente o computador, um mac já um pouco antigo, um software chamado photoshop e uma tablet Wacom para desenhar e pintar.


          O que te chamou mais atenção no texto da Mirna?

Ah, o texto dela é lindo! Tão sensível. Gosto do texto inteiro, mas minha parte preferida é o início: "No fundo do planeta Terra, lá no fundo, bem no fundo, havia um lago preso que queria ser do mundo". Ela fala de poesia, de liberdade, e também de lençol freático. 
É muito fácil encontrarmos textos que explicam algum assunto que acabam sendo chatos, mas Mirna consegue fugir disso nos trazendo um texto leve e fluído como o próprio tema.


           O que você sentiu quando viu o livro pronto?

Foi uma surpresa, eu não estava esperando e ele chegou aqui em casa. Foi muito gratificante ver o cuidado que a Escrita Fina teve com esse projeto. A impressão caprichosa sobre o papel reciclado que eu tinha pedido para o livro me emocionou. 
Por utilizar computador como ferramenta, sinto uma satisfação maior de ver o objeto livro, pronto, impresso e pegável.

2 comentários:

Escrita Fina Edições disse...

Lindo!

Valentine Cirano Vieira disse...

Gostei do blog, parabéns
aproveite para conhecer o meu:
www.valentinecirano.blogpost.com
bjs