terça-feira, 6 de novembro de 2012

Subindo o morro!


Já tivemos OFF Flip, Flip, Feira de Frankfurt, mas festival em UPP é novidade pra nós. De 7 a 11 de novembro, a literatura vai subir o Morro dos Prazeres, em Santa Teresa ea gente vai subir junto. Convidamos vocês a largarem o preconceito  pra lá e subirem também. Que tal? 
A boa da semana é a FLUPP - Festa Literária Internacional das UPPs. Pra quem não é do Rio, a gente explica porque essa iniciativa é um passo enorme de integração cultural. UPP é a sigla pra Unidade de Polícia Pacificadora e elas ficam em áreas bem pobres e pra onde a gente aqui do asfalto não costuma olhar muito. Principalmente quando o assunto é cultura. 
Demorou, mas finalmente a galera percebeu que o amor pela leitura não tem nada a ver com localização geográfica ou condição social. Todo mundo tem uma sementinha literária dentro de si. A diferença é que alguns têm mais oportunidade de entrar em contato com a literatura do que outros.  
Como onde tem integração cultural e social, tem Escrita Fina, a gente não poderia ficar de fora da fuzarca, né?
Confiram a nossa programação na FLUPP deste ano aqui embaixo ou no site do evento!


SÁBADO, 10/11

9h às 10h30
Leitura de A cobra e a corda + bate-papo com Lúcia Bettencourt + exercícios de quadrinhos com Étienne Lécroart e Olivier Martin
Haverá a leitura de A cobra e a corda, um delicioso jogo de palavras, de travar qualquer língua e não desatar mais o nó! Lúcia Bettencourt, a autora, é carioca e está terminando seu doutorado em literatura comparada na UFF. Já publicou dois livros de contos para o público geral e recebeu os prêmios SESC (2005) e Josué Guimarães (2007). Agora envereda pelo campo da literatura infantil com dois lançamentos recentes. Depois do bate-papo com a Lúcia, a Tenda Bruzundangas recebe Étienne Lécroart e Olivier Martin, dois representantes do melhor cartum francês, para fazerem exercícios com quadrinhos com a garotada.

11h às 12h30
Leitura de Convite Carioca + bate-papo com Sandra Lopes + Sarau com o grupo Ballet de Santa Teresa
A atriz Bianca Salgueiro fará a leitura de poemas do livro Convite carioca, uma celebração à natureza do Rio que faz com que o leitor queira ser turista na própria cidade só para aproveitar as maravilhas que ela oferece. Os poemas de Sandra Lopes, a autora, são pura declaração de amor ao Rio. Sandra é carioca e professora de Sala de Leitura da rede municipal de ensino do Rio de Janeiro. Nunca havia pensado em ser escritora até o dia em que colocou no papel os primeiros poemas e histórias. Suas referências são sempre a infância e as palavras e seus muitos significados.
Depois do bate-papo com a Sandra, mais poesia com o Ballet de Santa Teresa. O grupo, que atua desde 2001, desenvolve projetos gratuitos, destinado a crianças, adolescentes e famílias que vivem em áreas de risco social do bairro. As crianças participantes do projeto lerão poemas autorais que foram reunidos no livro "Voar fora da asa", um pedacinho das grandes viagens que fizeram nas aulas de Leitura e Escrita com a professora Geisa Giraldez em 2012. Manoel de Barros foi a inspiração com o verso "poesia é voar fora da asa". Dessas viagens, nasceu o prazer de conhecer mais e a vontade de inventar também. Os meninos e meninas do Ballet de Santa Teresa viram que no escrever eles podiam voar sem asa, brincar com as letras, rimas e a poesia que cada um de nós carrega dentro de si.

16h às 17h30
Leitura de Para crescer + bate-papo com Ana Letícia Leal + workshop de zumbificação com Gabriel Tavares. O ator Mateus Solano, do elenco de Gabriela, fará a leitura de Para crescer, que conta a história de Antônia, de 17 anos, e das dificuldades que ela passa num ano particularmente difícil de sua vida, quando tudo resolve acontecer ao mesmo tempo. Então, a personagem passa a escrever a própria história e assim caminha para a descoberta de si mesma e de um outro mundo. Ana Letícia Leal, a autora, publicou um livro de contos juvenis, Meninas inventadas, que foi finalista do Jabuti em 2007. Em 2003, teve um conto selecionado pelo concurso Contos do Rio, do jornal O Globo. É formada em jornalismo pela UFRJ, fez mestrado em comunicação social na PUC-Rio e doutorado em literatura na mesma PUC. Atualmente, ministra ofici nas literárias e visita escolas falando sobre seus livros. Depois do bate-papo com a Ana Letícia, o público vai poder participar de mais um workshop de zumbificação. Gabriel Tavares e sua equipe coordenarão um workshop caseiro de zumbificação amadorística, demonstrando em passos simples e breves a produção da maquiagem de efeito especial dos filmes de zumbi. Gabriel diz que, diferente das produções massificadas e profissionais do ramo do efeito especial estético, fazer maquiagem de zumbi em casa é tão fácil e econômico que qualquer criança ou jovem de qualquer idade já tem acesso aos meios de poder improvisar e retocar seu próprio visual cadavérico. Serão apresentados os materiais, os ingredientes e as instruções para o preparo. Além de ensinar como fazer, o grupo vai maquiar os primeiros a terem coragem de se oferecer -- até que o tempo ou a maquiagem acabe.

DOMINGO, 11/11

11h às 13h
Leitura de Bá e as visagens -- histórias de assombração + bate-papo com Augusto Pessoa + Paiol de Histórias (Fundação Cultural Casa Lygia Bojunga) espetáculo A corda bamba Davi Lucas, ator de Malhação, fará a leitura de Bá e as visagens -- histórias de assombração, que reúne histórias ouvidas pelo autor, Augusto Pessôa, na infância, contadas por uma senhora baixinha e gordinha que trabalhava no sítio de sua tia, a Bá. Histórias populares contadas também com a sabedoria popular, cheia de suspense e mistério, para fazer medo mesmo. Esse livro prova para o leitor como história de terror é coisa de brasileiro também! Augusto nasceu no Rio de Janeiro. Sua família, que sempre gostou de literatura, despertou nele, ainda na t enra infância, o gosto por uma boa história -- escrita, contada ou encenada. Assim, quando chegou o momento de optar por uma carreira, ele não titubeou,escolheu o caminho das artes. Ingressou na Faculdade de Artes Cênicas da UNI-RIO e formou-se em interpretação (1987) e cenografia (1993).
E, nesse mesmo ano, descobriu a arte de contar histórias profissionalmente. Desde então, dedica-se a essa atividade e a ministrar oficinas por todo o Brasil, em escolas, universidades, museus e teatros. Depois de histórias de medo, um espetáculo de teatro que se passa num circo. O projeto Paiol de Histórias da Fundação Cultural Casa Lygia Bojunga, que atua em Pedro do Rio, interior do estado, leva para a Tenda da FLUPP Parque a adaptação da novela A corda bamba, de Lygia Bojunga. O elenco é formado por crianças e jovens que participam do projeto e por atores do Teatro Circense Andança. Quem coordena o projeto é a Francisca Valle e quem dirige a peça é o Madson José.

14h às 15h30
Leitura de Pra onde vão os dias que passam? + bate-papo com Anna Cláudia Ramos + workshop de zumbificação com Gabriel Tavares
Haverá a leitura de Pra onde vão os dias que passam?, que fala das dúvidas e angústias que estão nas cabeças de tantos pré-adolescentes e jovens todos os dias. Essa é uma época da vida de grandes transformações e a leitura de boas e inspiradoras histórias só pode ajudar nesse processo de amadurecimento. Anna Claudia Ramos, a autora desse livro, é carioca, mãe de dois filhos, graduada em Letras pela PUC-Rio e mestra em Ciência da Literatura pela UFRJ. Ama livros e histórias e viaja pelo Brasil afora ministrando palestras e oficinas sobre sua experiência com leitura e como escritora e especialista em literatura infantil e juvenil. Anna Claudia vive se fazendo perguntas e tentando encontrar algumas respostas. Foi assim que ela se apaixonou por essa pergunta: pra onde vão os dias que passam?, feita por um menino de oito anos. Uma das respostas possíveis está no livro de que vamos falar na Tenda Bruzundangas. Depois do bate-papo com a Anna Claudia, o pblico vai ter a última oportunidade de conferir o workshop de zumbificação na FLUPP Parque. Gabriel Tavares e sua equipe coordenarão um workshop caseiro de zumbificação amadorística, demonstrando em passos simples e breves a produção da maquiagem de efeito especial dos filmes de zumbi. Gabriel diz que, diferente das produções massificadas e profissionais do ramo do efeito especial estético, fazer maquiagem de zumbi em casa é tão fácil e econômico que qualquer criança ou jovem de qualquer idade já tem acesso aos meios de poder improvisar e retocar seu próprio visual cadavérico. Serão apresentados os materiais, os ingredientes e as instruções para o preparo . Além de ensinar como fazer, o grupo vai maquiar os primeiros a terem coragem de se oferecer -- até que o tempo ou a maquiagem acabe.


Nenhum comentário: